Simples como amar

setembro 6, 2009

Nesta madrugada estou a pensar sobre as questões simples da vida, e cheguei

Carla e Danny explorando seus sentimentos.

Carla e Danny explorando seus sentimentos.

a seguinte conclusão; Nada na vida é fácil, e tudo que vem de um modo fácil se torna efêmero, portanto amor se conquista a cada dia.
Pensando nisso, lembrei de um filme de uma simplicidade imensa para explicar o que é amar.

Carla Tate é vivida pela excelente atriz e cantora Juliette Lewis, e conta com a atuação única de Giovanni Ribisi interpretando o par romântico Danny McMann e tem direção do Garry Marshall.
Carla e Danny têm deficiência mental, porém descobrem juntos o amor em sua forma mais simples, embora sua mãe Elizabeth Tate (Diane Keaton) tenta de todas as formas corromper este relacionamento, enfatizando o ato do preconceito. Porém com o tempo ela vai aceitando a ídeia diante da determinação de Carla, e acaba conseguindo  morar sozinha em um apartamento, e posteriormente casando-se (de sua forma) com Danny.

Momento em que a mãe se preoculpa com "certos assuntos" com Tate.

Momento em que a mãe se preoculpa com "certos assuntos" com Tate.

O filme é de uma sensibilidade única, alternando em uma comédia sem málicia,romance sincero e mesclando com um assunto sério.
O  que mais me impressiona ao assistir o filme, é perceber os obstáculos que colocamos em nossa frente, dos limites que nós mesmos criamos, sendo assim, dificultamos o desenvolvimento de um sentimento maior.
Simples como Amar (The other Sister) é um filme que faz você refletir sobre o amor, aquele amor que você julga impossível, e derrepente você percebe que as coisas podem ser mais simples do que parecem, simples como amar !

Por Fábio Santos

Alison Krauss – When You Say Nothing At All

Off Topic

Pois é galera, sou fanático por filmes de terror (suspense, sci-fi, drama etc), mas também tenho coração (!) E este é um dos pouco filmes românticos que eu realmente gosto e recomendo ! Acredito que muitos devem estar confusos imaginando se estão no blog certo, mas uma coisa eu digo, este ser vos escreve também ama !!!

Um abraço á todos e obrigado pela visita e comentem, estou ancioso para ler a repercussão que isso irá causar…

Este texto não deve ser copiado sem a repectiva autorização do autor.
Anúncios

As aparências enganam… não é Susan Boyle ?!

abril 16, 2009

Susan Boyle no "Britain's got talent"

Susan Boyle no "Britain's got talent"

As aparências realmente enganam, e nos surpreendem mostrando o quanto somos preconceituosos, pois tendemos á sempre julgar as pessoas pela aparência.

Aconteceu no programa “Britain’s got talent” (uma versão britânica do famoso “American Idols”),a desempregada Susan Boyle nos supreende, ao dizer que tem 47 anos o público tem uma reação constrangedora (mas não abala a “cantora”).
Tudo parece ser motivo de piada, mas quando Susan começa cantar “’I dreamed a dream” (do famoso musical “les miserables”) ela prova que somos muito mais além de aparências. A reação do público e dos jurados é emocionante, a platéia esquece que ali há uma “feia” de 47 anos, e se levanta para aplaudir a bela performance de Susan Boyle.

Simon Cowel (conhecido pela sua forma “grossa” de maltratar os calouros) se rende de “boca aberta” a potente voz da cantora. Ele pergunta qual é o sonho de Susan, e ela com seu carisma (o tanto quanto engraçado) responde;
“- Tentar ser uma cantora profissional

Este vídeo nos ensina a valorizar o próximo como pessoa, e não por sua beleza aparente !!!

Por Fábio Santos
(lembre-se que ao copiar o post, favor colocar os créditos)